Jornal O Impacto - Guararapes e Região

Homem de 36 anos mata mãe e padrasto por não aceitarem homossexualidade

Magali e Lourival foram assassinados a pauladas na casa onde moravam, em Araçatuba / foto internet
 

- Ediwilson dos Santos -

 

                Três pessoas foram presas pela Polícia Civil acusadas de tramar e executar a morte de um casal em Araçatuba. O crime teria acontecido na noite de sexta-feira (13), na casa das vítimas, localizada no bairro Primavera, e já na manhã de sábado estava inteiramente solucionado pelos investigadores.

                As vítimas foram o casal Lourival Aparecido Poleti, de 56 anos, e Magali Cantarani Luz, de 61. Eles foram assassinados a pauladas. O corpo do homem foi encontrado no porta-malas do carro da família e o da mulher, na garagem.

Os acusados são o filho de Magali, Daniel Cantarani, de 36 anos, que segundo as investigações da polícia pagou R$ 700 para um ex-namorado, cujo nome não foi divulgado, executar as mortes, além de uma mulher, que também está tendo o nome preservado, suspeita de fornecer medicamentos de uso controlado e que foram dados durante semanas por Daniel à mãe e ao padrasto, misturados em sucos, na tentativa de as vítimas sofrerem ataque cardíaco.

Conforme o que foi apurado pela investigação, Daniel disse que cometeu o crime porque os pais não aceitavam a sua homossexualidade, impedindo-o até mesmo de sair de casa. No entanto, a polícia descobriu que ele tinha hábito de frequentar a noite da cidade, chegando em casa sempre de madrugada.

O trio apontado como autor do duplo homicídio teria começado a arquitetar o crime há três meses. Inicialmente, Daniel tentou matar o padrasto e a mãe dosando remédios de uso controlado no suco que eles costumavam beber, mas ao perceber que isso que só causava sonolência no casal, ele decidiu contratar um ex-amante para mata-los.

 

SEXTA-FEIRA 13

O homem contratado recebeu R$ 700 e na noite de sexta-feira passada usou a maior parte do dinheiro para comprar drogas, depois passou em um posto de combustível, encheu um galão com gasolina e dirigiu até a frente da casa das vítimas, onde ficou aguardando a chamada de Daniel para invadir a residência e executar as mortes.

Ele usou um cabo de machado para matar as vítimas. O primeiro a ser atingido foi o padrasto de Daniel e, em seguida, a mãe. Depois que as vítimas foram atacadas, Daniel teria percebido que elas ainda estavam vivas, então cobriu os rostos delas com panos e teria usado um outro pedaço de madeira, em formato de pênis, para acabar de mata-las. Os rostos de Lourival e Magali ficaram irreconhecíveis em virtude da violência dos golpes.

Daniel e seu ex-namorado decidiram por os corpos no porta-malas do carro, mas conseguiram por apenas o de Lourival, já que Magali sofria de sobrepeso. A ideia era levar os corpos para a zona rural da cidade, onde seriam queimados com a ajuda da gasolina para tentar dificultar o trabalho forense de identificação.

                Como não tiveram êxito na ocultação dos cadáveres, os dois decidiram revirar a casa, para tentar passar para a polícia o cenário de um roubo que evoluiu para um duplo homicídio. Eles saíram da residência e cada um seguiu para um local diferente.

Daniel foi para uma pastelaria, onde comeu, bebeu e lá permaneceu até por volta da 1h30 de sábado, voltando para casa em um veículo de aplicativo, numa clara tentativa de ter um álibi que o tirava do local do crime na hora em que os assassinatos aconteceram. Já o seu comparsa foi para casa.

 

ELUCIDAÇÃO E FLAGRANTE

Daniel ligou para a Polícia Militar, avisando que havia chegado em casa e achado o corpo da mãe na garagem. A Polícia Civil também foi acionada para periciar o imóvel e iniciar a investigação, quando então foi encontrado o corpo de Lourival no porta-malas do carro. Daniel acabou caindo em algumas contradições e foi levado para interrogatório na delegacia. Lá, ele confessou todo o plano e execução e apontou os seus comparsas.

O ex-namorado dele foi encontrado e preso em um supermercado da cidade, onde trabalha. A mulher foi localizada na casa onde ela mora e também presa em flagrante, acusada de fornecer os remédios e colaborar na elaboração do crime.

 

SEMELHANÇA COM O CASO RICHTHOFEN

O caso ganhou repercussão nacional pela violência e covardia empregadas, não dando às vítimas a menor chance de se defenderem, já que foram encurraladas dentro de casa, num horário em que geralmente costumavam já estarem se preparando para dormir.

          A polícia chegou a comentar que o caso lembrou o crime cometido em 2002 por Sazane von Richthofen e os irmãos cravinhos, que mataram, também a pauladas, o casal Mafred e Marísia, quando eles estavam dormindo. Todos os três já estão soltos.

Daniel planejou e ajudou a assassinar a própria mãe, de 61 anos / foto rede social

Postagem Anterior Próxima Postagem

ÓTICA OCULAR E ESTILO

Jornal O Impacto - Guararapes e Região

SICOOB

Jornal O Impacto - Guararapes e Região

SUPERMERCADOS JORDÃO

Jornal O Impacto - Guararapes e Região

RIGUETI AUTO PEÇAS

Jornal O Impacto - Guararapes e Região