Jornal O Impacto - Guararapes e Região

Apontamentos do Tribunal de Contas em unidades de saúde gera contestação de Conselho

 

Para o presidente do Consems, ação do TCE foi equivocada / imagem internet


O Tribunal de Contas do Estado de São Paulo – TCESP, realizou, no dia 30 de março, uma fiscalização em 454 unidades de saúde localizadas em 238 municípios do estado de São Paulo. A ação, para o Conselho de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São Paulo (Cosems/SP), foi desmedida e prejudicou o trabalho desenvolvido pelos gestores municipais, já que o Tribunal de Contas não levou em consideração que a responsabilidade pela Atenção Primária em Saúde é tripartite: dos Governos Federal, Estadual e Municipal, conforme estabelece Portaria Nº 2.436, de 21 de setembro de 2017.

“Os gestores municipais de saúde estão respondendo por um problema que não é somente deles. A Ação do Tribunal de Contas colocou os gestores municipais de saúde em uma situação muito delicada diante da opinião pública e não esclareceu os verdadeiros responsáveis por falta de vacina, remédios e médicos, por exemplo”, afirma o presidente do Cosems/SP, Geraldo Reple Sobrinho.

Entre os apontamentos do TCESP, a falta de medicamentos nas unidades foi um dos problemas mais relevantes. O problema vem sendo apontado pelo COSEMS/SP há bastante tempo pois, no estado de São Paulo, os medicamentos da atenção básica são comprados e distribuídos pela Secretaria Estadual da Saúde por meio do Programa Dose Certa.

Segundo a entidade, o programa atrasa a entrega de medicamentos com frequência, o que gera falta de insumo para dispensar aos usuários do SUS. Em março de 2023 faltaram 17,5% de medicamentos nos municípios.

O TCESP também relatou a falta de vacinas. Mas, segundo o Cosems, a vacinação é uma responsabilidade tripartite e o Ministério da Saúde é o ente responsável pela aquisição das doses e a Secretaria da Saúde do Estado pela distribuição. Aos municípios cabe a aplicação das vacinas na população. Um dos maiores problemas do Programa Nacional de Imunizações tem sido a falta de vacinas e o atraso nas entregas comprometendo o trabalho nos municípios.

Outro ponto abordado pelo TCESP são as instalações e os equipamentos. Para o Cosems, faltou frisar, no entanto, que nos últimos sete anos o Ministério da Saúde suspendeu praticamente todas as linhas de financiamento regular para compra de equipamentos e para construção e reforma de unidades básicas de saúde.

No caso do estado de São Paulo, o último repasse financeiro para essa finalidade foi por meio do Programa Qualis UBS, em 2017. Ou seja, há sete anos que os municípios não recebem recursos financeiros para a manutenção, reforma, construção de UBS e compra de equipamentos, sobrecarregando os municípios.

O TCESP também abordou a falta de profissionais nas unidades, o que inclui o profissional médico com jornada de 40 horas semanais nas equipes de Saúde da Família. O Ministério da Saúde é responsável pelo provimento emergencial de médicos para a Assistência Básica por meio do Programa Mais Médicos e Médicos pelo Brasil.

No entanto, existem hoje 1.550 vagas, em 304 municípios paulistas, que estão desocupadas de um total de 2.548 disponíveis. Isso ocorre pois os mecanismos de provimento do Ministério da Saúde não têm suprido as necessidades dos municípios.

Aliada aos problemas elencados, há um subfinanciamento federal e estadual que compromete o acesso e qualidade da atenção básica, sobrecarregando os municípios de maneira incompatível com a legislação do SUS.

Existem hoje 1.351 equipes de saúde da Atenção Básica aguardando cofinanciamento federal, algumas há quase um ano. Existem ainda mais de 6 mil agentes comunitários da saúde nas redes paulistas na mesma situação.    

Postagem Anterior Próxima Postagem

ÓTICA OCULAR E ESTILO

Jornal O Impacto - Guararapes e Região

SICOOB

Jornal O Impacto - Guararapes e Região

SUPERMERCADOS JORDÃO

Jornal O Impacto - Guararapes e Região

RIGUETI AUTO PEÇAS

Jornal O Impacto - Guararapes e Região